Archive Page 2

Enem vaza e ministério anuncia cancelamento do exame

Homem tentou vender cópia para o ‘Estado’ em SP; MEC confirmou que questões eram originais
SÃO PAULO – O vazamento da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) levou o Ministério da Educação a cancelar na madrugada desta quinta-feira, 1º, a prova, que seria aplicada no fim de semana para 4,1 milhões de candidatos em 1,8 mil cidades do País. A decisão foi tomada pelo ministro Fernando Haddad após ter sido alertado pela reportagem do Estado sobre a quebra do sigilo do exame. “Há fortes indícios de que houve vazamento, 99% de chance”, afirmou o presidente do Inep, Reynaldo Fernandes, por volta da 1h, por telefone.
Na tarde de quarta-feira, 30, o jornal foi procurado por um homem que disse, ao telefone, ter as duas provas que seriam aplicadas no sábado e no domingo. Propôs entregá-las à reportagem em troca de R$ 500 mil. “Isto aqui é muito sério, derruba o ministério”, afirmou o homem.
O Estado consultou rapidamente o material, para checar sua veracidade, sem se comprometer com a compra. Haddad, que diz nunca ter tido acesso ao conteúdo da prova, confirmou o vazamento ao consultar técnicos do Inep, órgão do ministério responsável pelo Enem. A comprovação da fraude se baseou em elementos repassados ao ministro pela reportagem, via telefone e e-mail. As questões originais estavam guardadas em um cofre, que foi aberto ontem à noite para confirmar a informação.
No exame que o Estado teve acesso, a prova de linguagens e códigos, que seria aplicada no domingo, tinha na questão número 1 uma tira da personagem de história em quadrinhos Mafalda. Na folha seguinte, o exame reproduzia uma bandeira do Brasil com a área verde parcialmente suprimida, simbolizando o desmatamento. A imagem lembra uma campanha publicitária famosa da organização não governamental SOS Mata Atlântica. Embaixo dela, a prova tinha a seguinte frase: “Estão tirando o verde de nossa terra.” Em outro trecho do exame, também no alto, à esquerda, os examinadores usaram no enunciado o poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias, aquele que começa com os versos “Minha terra tem palmeiras/onde canta o sabiá”. As questões da bandeira e do poema foram confirmadas pelo MEC como originais.
Outro trecho literário usado no Enem tinha o verso de Carlos Drummond de Andrade: “No meio do caminho tinha uma pedra/tinha uma pedra no meio do caminho”. Mais adiante, a prova reproduzia um texto da revista Veja sobre o filme Touro Indomável, de Martin Scorsese. Outro personagem usado no Enem era o gato Garfield. O programa de mensagens instantâneas MSN é mencionado em uma das questões.
Na tarde de quarta-feira, 30, o jornal foi procurado por um homem que disse, ao telefone, ter as duas provas que seriam aplicadas no sábado e no domingo. Propôs entregá-las à reportagem em troca de R$ 500 mil. “Isto aqui é muito sério, derruba o ministério”, afirmou o homem.
O Estado consultou rapidamente o material, para checar sua veracidade, sem se comprometer com a compra. Haddad, que diz nunca ter tido acesso ao conteúdo da prova, confirmou o vazamento ao consultar técnicos do Inep, órgão do ministério responsável pelo Enem. A comprovação da fraude se baseou em elementos repassados ao ministro pela reportagem, via telefone e e-mail. As questões originais estavam guardadas em um cofre, que foi aberto ontem à noite para confirmar a informação.
No exame que o Estado teve acesso, a prova de linguagens e códigos, que seria aplicada no domingo, tinha na questão número 1 uma tira da personagem de história em quadrinhos Mafalda. Na folha seguinte, o exame reproduzia uma bandeira do Brasil com a área verde parcialmente suprimida, simbolizando o desmatamento. A imagem lembra uma campanha publicitária famosa da organização não governamental SOS Mata Atlântica. Embaixo dela, a prova tinha a seguinte frase: “Estão tirando o verde de nossa terra.” Em outro trecho do exame, também no alto, à esquerda, os examinadores usaram no enunciado o poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias, aquele que começa com os versos “Minha terra tem palmeiras/onde canta o sabiá”. As questões da bandeira e do poema foram confirmadas pelo MEC como originais.
Outro trecho literário usado no Enem tinha o verso de Carlos Drummond de Andrade: “No meio do caminho tinha uma pedra/tinha uma pedra no meio do caminho”. Mais adiante, a prova reproduzia um texto da revista Veja sobre o filme Touro Indomável, de Martin Scorsese. Outro personagem usado no Enem era o gato Garfield. O programa de mensagens instantâneas MSN é mencionado em uma das questões.
Seu companheiro, mais incisivo, cobrou o tempo todo da reportagem uma posição sobre o pagamento dos R$ 500 mil. “Isto aqui é muito grande, eu não quero correr o risco de morrer por nada.” Diante da negativa da reportagem, ele se impacientou. “A gente vende isto aqui até por mais dinheiro”, disse, revelando a intenção de procurar emissoras de TV.
Renata Cafardo e Sergio Pompeu, de O Estado de S. Paulo

Anúncios

Folha de Tambaú – Seu Suce$$o Nº 10

POR QUÊ SEU PESSOAL PERDE A MOTIVAÇÃO?
Segundo os pesquisadores, em 85% dos casos, o moral de todos os funcionários começa a decair após seis meses em um novo emprego – e continua a se deteriorar ano após ano. Todos começam em um novo emprego cheios de energia, com milhares de planos na cabeça. Os líderes, porém, não fazem nada para manter esse entusiasmo inicial. A maioria dos funcionários busca três coisas em qualquer emprego:
Equidade/justiça – Queremos trabalhar em um ambiente onde cada funcionário tenha as mesmas chances de progredir na carreira, que possua apenas um conjunto de regras de benefícios, comportamento, ética e segurança no trabalho, e onde recebamos um salário condizente com nosso esforço.
Senso de conquista – Queremos nos orgulhar do que fazemos, conquistamos e da empresa onde trabalhamos.
Camaradagem – Por fim, queremos ter relações boas e produtivas com as outras pessoas que trabalham naquele local.
O funcionário entra na empresa. O que ele aprende em seis meses? Algumas empresas mantêm refeitórios separados para a diretoria e o restante dos trabalhadores. Adeus à equidade/justiça e à camaradagem. Outras não têm programas de feedback/reconhecimento adequados. Nada de senso de conquista, também. Brigas internas entre departamentos, fofocas sobre a empresa, favorecimento de funcionários/departamentos. Muitos desses fatores estão presentes, em maior ou menor grau, em todas as empresas. Diminuir os fatores negativos pode marcar sua empresa e sua equipe muito mais que gastar em caras campanhas incentivadoras.
Um forte abraço e até a próxima semana!

“Temos de ser originais porque, se formos como os outros, vão precisar de nós para quê?” (Bernadette Peters)

Folha de Tambaú – Seu Suce$$o Nº 09

COMPREENDA: para ser compreendido
Em uma rápida análise, sem base científica alguma obviamente, cheguei à conclusão de que grande parte dos problemas que temos está relacionada à comunicação – ou à falta dela. Seja em casa, no trabalho ou entre amigos, é comum que uma palavra ríspida, uma informação errada ou um e-mail escrito apressadamente sejam os causadores de grandes confusões.
Pequenas ações e mudanças de comportamento podem evitar problemas em função de nossa comunicação.
– Busque compreender primeiro. Quando faz isso, o outro se sente valorizado e passa a confiar mais em você. A confiança sustenta os relacionamentos.
– Escute as pessoas com plena atenção. Ao agir dessa forma, você se esvazia de preocupações e pensamentos relativos a sua pessoa e consegue se focar nas necessidades do outro.
– Repita o que você ouvir, dizendo: “Foi isso mesmo o que você falou?”. “Ao repetir o que o outro me disse, dou-lhe a oportunidade de corrigir alguma percepção errada que tive. Isso torna a comunicação clara e eficaz. – “Comunicar é a arte de escutar com absoluta atenção”, segundo Ômar Souki.
– Depois de escutar a outra pessoa, você pode se posicionar em relação ao assunto que está sendo tratado e ter, dessa forma, condições de solucionar questões importantes e esclarecer dúvidas.
Espero que essas dicas sejam úteis para ajudar você a se comunicar melhor!
Um forte abraço e até a próxima semana!

“Comunicação é a arte de ser entendido” (Peter Ustinov)

Folha de Tambaú – Seu Suce$$o Nº 08

PENSE FORA DA CAIXA
Você já deve ter ouvido a expressão “pensar fora da caixa”, pois tem sido muito usada ultimamente. Gosto muito dessa frase porque ela sugere que pensemos fora do convencional, evitando os parâmetros e paradigmas que são conhecidos, rotineiros e usuais.
Quando pensamos fora da caixa, buscamos soluções novas, caminhos diferentes, outras maneiras de resolver um problema, por exemplo. Logo, exercitamos a criatividade, que é uma atitude extremamente importante.
ser criativo é fundamental para quem deseja se destacar no mundo competitivo e turbulento em que vivemos: “Se é verdade que a palavra ‘crise’ tem origem em ‘krisis’, que significa momento de decisão, a criatividade está na ordem do dia. Ninguém que queira seguir em frente pode ir pelos mesmos caminhos, fazer como sempre fez. Por isso, a criatividade é um assunto muito atual”.
as pessoas devem mudar sua postura e praticar a criatividade: “Quem continuar a fazer como sempre fez já não vai obter o que sempre obteve. Olhe para a palavra ‘crise’, retire o ‘se’ que serve em toda a nossa vida como desculpa para os erros: se a inflação estivesse… se o cliente… se o preço… se o Lula… Agora, quem tirou o ‘se’ de ‘crise’ ficou só com ‘cri’. Então, junte a isso aquilo que é preciso fazer todos os dias: atividade. Aí está a solução: criatividade. Ela é, antes de tudo, uma atitude positiva que parte do seguinte: ver o que os outros veem, mas pensar e agir diferente”.
CRISE – SE + ATIVIDADE ou CRISE – SE + E
Um forte abraço e até a próxima semana!

“Temos de ser originais porque, se formos como os outros, vão precisar de nós para quê?” (Bernadette Peters)

Folha de Tambaú – Seu Suce$$o Nº 07

O MOTIVO FAZ TODA DIFERENÇA
Às vezes, temos dificuldades para continuar lutando por um sonho, por uma meta. À medida que os problemas vão aparecendo, tendemos a dar menos importância para um objetivo que até pouco tempo fazia nossos olhos brilharem. Mas por que isso acontece?
Estava tentando encontrar uma resposta para essa pergunta e, então, lembrei-me de uma das fábulas de Esopo, A lebre e o cão de caça. Ela conta que, certa vez, um cão de caça obrigou uma lebre a sair de sua toca e, após uma longa perseguição, parou a caçada de repente. Então, um pastor de cabras, vendo-o parar, ridicularizou-o dizendo:
­― Aquele pequeno animal corre muito melhor que você.
E o cão respondeu:
― Você não vê a diferença que existe entre nós? Eu estava correndo apenas para conseguir um jantar, mas a lebre corria para salvar sua vida.
Após reler essa fábula, acredito que o motivo pelo qual realizamos uma tarefa é o que determina a qualidade com a qual a desenvolvemos, e também a persistência que temos para finalizá-la – seja uma simples tarefa, uma pequena ou grande meta ou, até mesmo, o maior sonho de sua vida. Então, para evitar as desistências, faça reflexões a fim de encontrar o real significado que as coisas possuem para você.
Por exemplo, reflita sobre o motivo pelo qual você sai de sua casa todos os dias pela manhã. É somente para garantir seu sustento ou o faz por algo maior, por acreditar que isso realmente é uma questão de sobrevivência? Assim, destine um tempo para fazer esses questionamentos, pois as respostas que encontrar podem ter total relação com os resultados que você vem obtendo em sua vida. Um forte abraço e até a próxima semana!

“Uma rua sem saída é apenas um bom lugar para se dar a volta.” (Naomi Judd)

Folha de Tambaú – Seu Suce$$o Nº 06

A PALAVRA É: AUTOMOTIVAÇÃO
Defendo que as pessoas podem ser incentivadas e, principalmente, recompensadas por bons resultados, mas a verdadeira motivação não tem de estar atrelada a essa dependência de estímulos externos. Até porque, isso é impossível, pois indivíduo algum motiva o outro. A motivação está dentro de cada um, mas o que fazer para desenvolvê-la e mantê-la?
Todos precisam saber o que querem de verdade e aonde desejam chegar, além de entender quais são seus motivos para viver, trabalhar, etc. As respostas só poderão ser obtidas por meio de um diálogo interno. Mas por que tantas pessoas não conseguem obtê-las? É simples: elas não conversam consigo mesmas, vivem com suas mentes ocupadas o tempo todo e não ouvem sua própria voz interior nem se perguntam ou não se permitem responder sinceramente o que querem para suas vidas, o que gostam de fazer efetivamente e por que estão realizando suas atividades atualmente, ou seja, não se conhecem. E esse é um grande problema, pois o autoconhecimento é fundamental para quem deseja despertar seu verdadeiro potencial motivacional.
Diversos especialistas apontam que o autoconhecimento ajuda a crescer, ter melhores relacionamentos com os outros e, principalmente, confiar muito mais em si próprio. E quem faz isso acredita que pode sim conquistar o que deseja. Então, que tal tirar um tempo para conhecer melhor você mesmo? Faça isso logo! Mande seu email para visualcomunic@hotmail.com. Um forte abraço!

“Sabemos muito pouco o que nós somos e menos ainda sobre o que podemos ser.” (Lord Byron )

Folha de Tambaú – Seu Suce$$o Nº 05

EVITE COMETER CERTOS ERROS AO BUSCAR O SUCESSO
Muitos dizem que têm feito tudo o que é necessário para crescer, conquistar seus objetivos e chegar aonde desejam, porém ainda não conquistaram o sucesso que esperavam. Mas será mesmo que nós realmente fazemos tudo aquilo que é necessário? Será que não cometemos alguns erros pelo caminho que podem ser cruciais para que não conquistemos o que desejamos?
Não tenho dúvidas de que isso aconteça, mas quais são os erros que podem nos atrapalhar? Muitos. No entanto, vou tratar dos erros citados, há muitos anos, por Marcus Tullius Cícero, notável estadista romano. Esse grande orador de Roma disse que são seis os erros dos homens, confira:
1- Possuir a ilusão de que o progresso pessoal é obtido esmagando os outros.
2- Ter a tendência de se preocupar com as coisas que não podem ser mudadas ou corrigidas.
3- Insistir que uma coisa é impossível porque não podemos realizá-la.
4- Recusar-se a abandonar preferências insignificantes.
5- Negligenciar o desenvolvimento e o refinamento mental e não adquirir o hábito de ler e estudar.
6- Tentar obrigar as outras pessoas a acreditarem e viverem como nós.
Você tem cometido alguns desses erros? Pense nisso, se policie e alcance o sucesso! Mande seu email para visualcomunic@hotmail.com. Um forte abraço!

“O mais importante ingrediente na fórmula do sucesso é saber como lidar com as pessoas” (T. Roosevelt)


Twitter da Visual

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Anúncios